A Odisseia de Ruth Rocha e o Quixote de Ana Maria Machado

10 de outubro de 2012

Dom Quixote segundo Portinari, desenho de 1965

Li outro dia um artigo que alertava para a inadequação de ministrar obras muito antigas durante o ensino básico. O autor defendia que os clássicos do sec XVIII não eram adequados para tal “momento”. Veja aqui: Brasileiro lê pouco. E você sabe por quê?

Fiquei matutando o argumento do autor. Conclui que ele estava equivocado.

Posso até concordar que o texto voltado para as crianças tenha de apresentar algumas características destintas. Mas isso não justifica privar as crianças dessas narrativas que contam a história da literatura. Afinal de contas são justamente elas que, apesar da idade, formarão futuros leitores.

Se nas edições originais o texto é muito longo – “sem diálogo e sem figuras”, como reclamava Alice -, nada melhor do que a sensibilidade de escritores contemporâneos para reescrevê-los para as crianças.

Na biblioteca do Pedro há dois bons exemplos – “O Cavaleiro do Sonho – As Aventuras e Desventuras de Dom Quixote de La Mancha”, adaptação de Ana Maria Machado para o clássico de Miguel de Cervantes; e “Ruth Rocha conta a Odisseia”. Duas ótimas edições.

Aqui em casa geralmente sou eu quem sugere as próximas leituras, mas a última palavra é sempre do Pedro. Nesse caso, os dois guerreiros de pronto cativaram meu menino.

No caso da Odisseia de Ruth Rocha, discordo da leitura que fez sobre as ingerências divinas na vida do herói. Pra mim, Ulisses ficou com Circe porque quis. E voltou pra casa quando bem entendeu. Mas essa discussão tem 2,4 mil anos. Não pretendo encerrá-la aqui.

O que importa é que, mesmo sem muitas figuras, a nau de Ulisses já embarcou a mim e ao Pedro por muitas e muitas noites a caminho de Ítaca.

Já no caso do Quixote da Ana Maria Machado, o que me chamou a atenção foi a leitura contemporânea que ela faz da saga do mais querido cavaleiro de todo mundo ocidental. Ana faz questão de lembrar os valores que Quixote defendia, mas que continuam desacreditados até hoje.

Outro destaque é o diálogo entre a narrativa de Cervantes e os desenhos de Portinari, que ilustram a edição. No final ela compara a vida dos dois autores e conta a história da intoxicação que Portinari sofreu com as tintas dos painéis da ONU, que fora convidado a produzir. Fato que desconhecia.

Já nas aventuras de Quixote e Sancho, pra minha surpresa, Ruth destacou a passagem onde aparece o cavalo de madeira, Clavileño – el Aligro, sobre cujas ancas, os heróis foram combater o gigante Malambruno no reino dos trovões (Cap XL – De cosas que atañen y tocan a esta aventura y a esta memorable historia). Esse trecho sempre mexeu comigo, porque Clavileño foi como meu pai batizou uma série de veleiros de madeira que possuímos – e hoje batiza meu Micro19.

Quixote e Sancho montam no Clavileño, desenho de Gustave Doré, de 1863.

Esses dois trabalhos não são nem sombra do texto original. Mas o capricho das escritoras captura a atenção das crianças. Eu e Pedro já os lemos várias vezes a ainda vamos ler outras tantas. Cada nova leitura: um interpretação diferente.

As imagem narrada reverberam na mente da criança, fecundando sua imaginação. E provavelmente despertará a curiosidade dela para uma possível leitura do texto original na vida adulta. Taí a importância de releituras como essas de Ruth e Ana Maria.

Na verdade reescrever clássicos para as crianças é um trabalho que exige engenhosidade (trabalho de carpintaria como diria Autran Dourado) similar ao da tradução, que, embora não converta a obra inteira, é capaz de comunicar sonhos e encantos de uma cultura para a outra.

Por vezes, há traduções que conseguem desvendar segredos escondidos na obra que nem o próprio autor poderia suspeitar. (Por exemplo, é cativante a ternura com que Ana Maria Machado trata Dom Quixote. Sentimento que todo mundo compartilha com ela. Menos Cervantes que durante a narrativa reserva surras e mais surras a seu personagem.)

Sei de traduções que saíram melhor do que o original. Exemplo disso são algumas obras francesas que Rilk verteu para o Alemão. Em “Uma História da Leitura“, Alberto Maguel menciona a tradução que Rilke fez dos poeminha de Louise Labé – poeta francesa, que vivera um século antes.

Segundo Manguel, Rilke transformou os melosos versinhos de donzela, em valorosas peças trágicas, que são lidas até hoje na Alemanhã, enquanto na França pouco se comenta sobre a obra de Labé.

Outro exemplo, pelo que parece, são as versões de Paulo Coelho para o francês. Todos, sucesso absoluto. Segundo fiquei sabendo, a cada nova produção, um time de primeira se debruça sobre os originais com a missão de transformar aquilo em caprichados textos em francês genuíno. Tal prodígio explicaria parte do sucesso do nosso mago na terra de Prust.

Isso, sim, é alquimia!

Anúncios

4 Respostas to “A Odisseia de Ruth Rocha e o Quixote de Ana Maria Machado”

  1. Olá. Sou tradutora de livros infanto-juvenis e também preparo uma tese sobre as adaptações do Quixote (FFLCH-USP). Gostei muito do seu Blog, o qual inclusive será citado em minha tese.
    Quando você diz : “Já nas aventuras de Quixote e Sancho, pra minha surpresa, Ruth destacou a passagem onde aparece o cavalo de madeira […]”, você está se referindo ao livro “Macacote e Porco Pança”? Se não for esse livro, qual é? Muito obrigada e continue escrevendo, adorei suas resenhas. E beijos ao Pedro, um menino muito sortudo, poucos tem uma mãe assim!

  2. Luiz said

    Legal, Silvia. Obrigado. Achei que fosse ter mais tempo pra escrever….

    Quando sua tese estiver pronta me avise, quero ler.

    Sobre sua dúvida: no trecho que vc menciona, me referi ao cavalo de maderia, Clavileño (Cap XL), do segundo livro do Quixote.

    abs,

    Luiz

  3. Silvia Cobelo said

    Querido Luiz, eu não sei porque achei que vc era a mãe… loucuras de quem está na loucura de uma tese sobre o grande louco de nossa literatura… Entrego a tese este ano, um beijo quixótico

  4. Vica said

    Oi Luiz!
    É Claro que Ulisses ficou com Circe porque quis!
    Quando li a primeira vez fiquei indignada! A pobre Penélope inventando mil histórias para enrolar os “caras” enquanto o outro lá vivendo numa ilha num bem bom!
    A adaptaçao que leio para meu filho é Geronimo Stilton, um ratinho que conhece meio mundo e conta a hitória de Ulisses. Muito Bacana, mas em espanhol. Ainda não encontrei nenhuma tradução dele aqui. Abs
    Vk

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: